Terça-feira, 17 de Julho de 2007

Que critérios para uma rigorosa avaliação das pistas cicláveis?

O projecto de investigação que a Universidade de Aveiro se encontra a desenvolver para o município da Murtosa, no âmbito do projecto da Mobilidade Sustentável, baseou-se na leitura da documentação teórica existente sobre a matéria, na avaliação de boas práticas sobre documentos de orientação estratégica para a mobilidade ciclável a nível nacional e municipal e finalmente na análise e sistematização de um conjunto de iniciativas e projectos sobre diferentes dimensões da mobilidade ciclável.

Foi proposto um quadro de referência que tivesse em conta o seguinte conjunto de dimensões:

  • infra-estruturas e actividades de apoio à mobillidade ciclável
  • animação da mobillidade ciclável
  • dinamização da mobillidade ciclável
  • investigação & desenvolvimento no domínio da mobillidade ciclável
  • reforço da dimensão institucional

Nesta construção estão presentes os diferentes elementos estruturantes de uma política pública de mobilidade ciclável.

A dimensão material identificada na estruturação da rede de infra-estruturas de suporte à mobilidade ciclável, para a qual deverá ser organizado um conjunto de serviços de apoio: Estacionamento, equipamentos (espaços de descanso, pequenas unidades comerciais com serviço de casas de banho e chuveiro), oficinas (serviços de reparação) e segurança pública (serviços SOS).

A dimensão imaterial definida pelas actividades de animação (actividades de animação, marketing e informação), dinamização (educação e sensibilização) e de investigação e desenvolvimento (certificação, inovação no produto e eco-eficiência).

E finalmente, de uma forma transversal, a construção de mecanismos de operacionalização institucional do quadro de proposta de acção que se venham a desenvolver.


publicado por JCM às 22:44
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De JCM a 20 de Julho de 2007 às 12:46
Caro Miguel
De uma certa forma tem razão, aparentemente a utilização regular da bicicleta não implica um conjunto pesado de serviços. Mas se quiser qualificar essa utilização tem de investir num conjunto de equipamentos de apoio (desde infra-estruturas cicláveis, mais ou menos dedicadas, estacionamentos, oficinas, segurança,...) ou ainda um conjunto de actividades de animação (seja direccionada para turismo ou lazer). No fundo precisamos de encontrar a organização adequada para um conjunto de elementos dispersos. E esse investimento é muitas vezes difícil de fazer!


De miguel a 18 de Julho de 2007 às 18:27
A bicicleta não é um automóvel! Não precisa de 1001 serviços de apoio!
Essa é mais uma das suas vantagens!


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 97 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Projecto Cicloria

. Conferência ‘O Lazer e o ...

. Assine a petição

. ECOPISTAS. Corredores ve...

. Inauguração do NaturRia (...

. Poster do Projecto de Mob...

. Conferência Final de ence...

. 90 quilómetros de ciclovi...

. Murtosa Ciclável

. O Projecto de Mobilidade ...

.arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Sintese do evento be IN A...

SAPO Blogs

.subscrever feeds